Cultura Brasileira: no ar desde 1998

Filigranas

(Texto em ordem cronológica reversa, cuidado. Tá bom, eu traduzo: os mais recentes estão em cima e os mais antigos, mais pra baixo...)

 

O Horário Eleitoral dito Gratuito desta quarta-feira, 22/10/2014, às 13h, começou com a propaganda do PSDB/PSB/Solidariedade apresentando a vinheta intitulada “Por Que o Brasil Tem Que Mudar” em que se fala de alguns dos muitos descalabros que aconteceram no Brasil nos últimos 12 anos. Fiz uma compilação intitulada “Apontamentos para a História do Brasil"; a Primeira Parte vai da nomeação de Henrique Meirelles para a presidência do Banco Central até o Escândalo do Mensalão; a Segunda Parte começa com o Escândalo do Mensalão e aprofunda temas que estiveram em voga como as muitas operações “Abafa CPI” montadas pelo PT, o Escândalo dos Sanguessugas e a queda de vários ministros corruptos de Lula, Antonio Palocci no topo da lista. A Terceira Parte aborda a queda dos ministros de Dilma: Antônio Palocci (pela segunda vez nos 12 anos que, na feliz definição de meu Amigo Marco Villa foram mais de uma Década Perdida. Mais quatro anos disso e o Brasil acaba!), Alfredo Nascimento, Antonio Jobim, Wagner Rossi, Pedro Novais, Orlando Silva, Carlos Lupi... Todos praticamente “ontem”: Dilma os demitiu em 2011 à medida que a imprensa os ia denunciando e a preocupação dela (como quando criou aquele dossiê sobre a Dona Ruth Cardoso) era sempre parecida com a de uma professora primária brutalizando alguma criança que tivesse feito xixi no chão da sala de aula: “quem vazou”? Portanto, há material para mostrar “por que precisa mudar” sobrando! São tantos e tamanhos descalabros que seriam necessários muitos anos para arrolar todos e, se não nos libertarmos do PT, enquanto isso mais tragédia, catástrofe, roubalheira e corrupção irá acontecendo.

            A seguir repetiu mais um dos muitos discursos lineares, ágeis e felizes de um Aécio com o rosto franco, amigo, sentimento, pensamento e discurso plenamente alinhados a falar de valores morais que no mar de lama da Década Perdida se perderam. Aquelas coisas que se aprende em casa como honra, respeito, solidariedade, generosidade, fraternidade. Repete ainda a defesa mais feliz que um candidato tão atacado pode apresentar: “é um preço pequeno a se pagar para mitigar o sofrimento de tantos brasileiros por tanto tempo”. Generosidade é isso.

            Lima Duarte, Rosamaria Murtinho, Oscar Schmidt...

            E a ponderada intervenção da esposa de Eduardo Campos a chamar o seu povo a se unir em torno de um projeto de união nacional. Que doce de Ser Humano... Delicada, sensível, inteligente, bem articulada, também com o coração, o cérebro e as cordas vocais em perfeita sintonia. Gostei.

            Falou ainda de um dos problemas com as Obras de Transposição do Rio São Francisco. Amigos no Exército me falam que o projeto foi fatiado em várias partes concedidas a Grandes Empreiteiras contribuintes da campanha eleitoral do PT e, a parte mais difícil, que nenhuma empreiteira aceitava, ficou a cargo do Exército Brasileiro. Feita por Funcionários Públicos, sem maiores gastos, é até hoje o único trecho concluído de todo o percurso. Amigos na UNEB relatam haver um grande reservatório de água embaixo de boa parte de onde ficava uma grande Floresta de Pau Brasil, parte da Mata Atlântica, portanto, furar poços artesianos seria uma solução muito mais barata, rápida e eficiente que aquela Obra que “está para nascer” desde que D. Pedro II pensou em fazê-la. Fico com pena de D. Luís Flávio Cappio, Bispo da Diocese de Barra, que fez greve de fome para chamar a atenção para os problemas do Rio São Francisco. Alguém precisa avisar ao próximo presidente eleito que, segundo o Globo Rural a nascente do Rio São Francisco secou! A não se fazer nada, daqui a pouco aquelas obras superfaturadas, se um dia concluídas, não terão o que levar para onde!

            Sabe do que mais? Sou um objetor de consciência ao sistema de Voto Compulsório (Votar é um Direito Civil como casar-se ou não, ter ou não uma religião... Obrigar a votar, a casar ou ter religião é autoritário demais!), Urnas Eletrônicas que apresentam o resultado antes mesmo do final da votação (“O mundo nos inveja” diz a propaganda ufanista – então porque nenhum outro país do mundo adota o sistema? Até o Paraguai devolveu as Urnas Eletrônicas Brasileiras por não apresentarem o padrão de confiabilidade desejável aos paraguaios. Você imaginou viver para ver um produto brasileiro recusado pelo Paraguai? E por baixa qualidade!). De mais a mais, um camarada que jamais conseguiu ser aprovado em concurso para juiz e famoso advogado do PT, o Sr. José Antônio Dias Toffoli ser Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, tenha dó... Mas se você acredita neste sistema, vote no Aécio!

            Fico pensando ainda na enorme quantidade de pessoas que é CONDENADA à prestação de serviços forçados (o eufemismo “voluntário” oculta o fato de que se a vítima se recusar pode até ser presa!) ao TSE por um dia...

            O programa do PT começou com aquele Rap de novo. Não sei dizer se agrada. A mim, não agrada. Não por ser do PT, que causa tristeza e vergonha aos brasileiros por haver se tornado uma Organização Criminosa como ficou claro no Processo do Mensalão, com vários de seus dirigentes presos, não por isso... É que eu não gosto de Rap mesmo...

            Coloca ênfase no quanto a Dilma está à frente de Aécio “nas pesquisas”. A Rede Globo perde um tempo desgraçado ensinando detalhadamente a cada “pesquisa” como ela funciona, diz que “o grau de confiabilidade é de 95%” e tal... Mentira! Confiabilidade ZERO! Aliás, isso ficou evidente no Primeiro Turno deste ano, será que JÁ se esqueceram? Eu não! Os únicos números dignos de alguma credibilidade no Brasil hoje não prestam: são aqueles que saem “dos Mercados” falando sobre Inflação, Taxa de Juros, nota dada ao Brasil pelas agências de risco, esse tipo de coisa. Pesquisa de opinião pública não merece confiabilidade alguma!

            Vem a Dilma falando. Eu procuro ler a linguagem corporal, as microexpressões nos rostos dos candidatos e o rosto do Aécio é facílimo, transparente e fácil de ler como um livro aberto. A Dilma deve ter feito cirurgias plásticas ou coisa assim, pois algumas partes de seu rosto que me permitiriam ver o seu pensamento não se mexem mais! Somente os lábios, que se fecham demonstrando contrariedade, olhos de quem está acostumado a mandar, jamais “debater”, pouca coisa. De todo modo descobri uma maneira eficiente de verificar quando ela está mentindo. Olhe para a boca dela. Se estiver se abrindo e fechando e houver som saindo, ela está mentindo! Quando ela começou a falar “na verdaaade” eu não consegui conter uma gargalhada convulsiva que me impediu de ouvir o que ela diz e eu pouco compreendo do que ela fala mesmo. Como é confusa!

            “Preservamos os salários” – de quem? De novo, segundo “as pesquisas”, diz ela, “estamos com as melhores taxas de desemprego da história”. E manipula números falando em números absolutos quando deveria falar em proporções e porcentagens. Fizemos o “mais médicos”. Se eu fosse marqueteiro dela a proibiria de sequer mencionar um programa que discrimina os cubanos como se eles fossem obrigados a prestar os mesmos serviços que outros médicos com menores salários. Certo, diminui o desemprego em Cuba, mas e nós aqui? Eu mesmo estou desempregado há 12 anos! E não foi falta de procurar, até que “joguei a toalha”. Como diz Charles Ferguson, em “O Sequestro da América”, desemprego prolongado quebra o moral do cidadão.

            Mais Bilhões e Milhões para os Fazendeiros “alimentarem os brasileiros” e Dilma, sempre inconsistente se contradiz na mesma frase falando do quanto de grãos exportamos. Nós não exportamos nada. Os Fazendeiros que recebem os Bilhões e Milhões é que exportam. Nós ficamos é pagando o pão (O PÃO!) mais caro porque poucos fazendeiros plantam muita soja para exportação em áreas extensivas quando se poderia plantar o mesmo trigo que importamos a preços em dólares! Camponês não tem como saber o que sejam “Bilhões” e “Milhão”, imagino, deve ser um milho bem grande... Tenha paciência...

            “Construção de um Complexo Intermodal...”. Que raio de apego a palavras que pouca gente sabe o que significa, caramba!. A abordagem sobre a Ferrovia Norte-Sul foi diferente. Não está parada onde o programa do Aécio apontou, mas em outra parte (sic).

            Lula, ao final, repete entre piscadinhas para os financistas o mesmo discurso de ontem e, em parte eu até concordo com ele: sabemos que há duas propostas diferentes e claramente definidas: uma dos criminosos que tomaram o Estado e querem se perpetuar no poder e outra que traz de volta a Esperança aos brasileiros. Se você for votar, vote Aécio!

Lázaro Curvêlo Chaves – 22/10/2014 - 15h

         Minha mãezinha acordou, ajudei-a a se deslocar para fazer sua higiene matinal, dei-lhe uma média e leite (ela não gosta de café; eu adoro), os remédios da manhã, levei-a até a sala onde passa a maior parte do dia "Facebookando", como diz e assistindo às emissoras de TV com o controle remoto ao lado. Levo água para ela a todos os momentos e vejo se está precisando de alguma coisa. Agora mesmo está. Leu esta coluna e me pediu para acrescentar um comentário dela.

          Segundo minha mãe, a Dilma está "criticando é Deus que só mandará chuva quando nos libertarmos do PT". E Aécio diz: "viajando pelo Brasil, o que eu mais ouço é isso, o povo pede libertação". Minha mãe diz que "Deus vai pesar a mão sobre a Dilma" -  ela é evangélica. Minha mãe, a Dilma eu não sei se acredita sequer no que ela mesma diz. Eu não acredito.

           Dou a minha palavra que imaginei jamais acreditar nas palavras de político algum outra vez. Aécio fala a verdade o tempo todo, com precisão, isto está abundantemente evidente. Dilma faz o oposto, mente o tempo todo.

Lázaro Curvêlo Chaves - 22/10/20141 - 10h10min

 

          Para conhecer os fundamentos que balisam o programa de Renda Básica de Cidadania, visite a página (em inglês) Base Income Earth Network no endereço http://www.basicincome.org/bien/aboutbasicincome.html

 

"A Renda Básica é uma renda incondicionalmente garantida a todos, em bases individuas, sem que se requeira exames ou trabalho"

        É isso. Agora vou lá para a sala assistir à Propagana Eleitoral com minha mãezinha. Depois venho aqui e teço minhas considerações.

Lázaro Curvêlo Chaves - 22/10/2014 - 10h55min

 

           E a Folha... Que decadência... Otimismo com economia aumenta e ajuda Dilma na disputa eleitoral. "Otimismo com economia" numa hora dessas (economia estagnada, inflação de volta...) é pior que aquela manchete da Band dizendo que "Aumenta a Violência nas Áreas Pacificadas nas Favelas Cariocas"... Já não é mais possível levar a sério coisa alguma que saia em "pesquisa" da Folha.

Lázaro Curvêlo Chaves - 22/10/2014 - 5h30min

 

            A Propaganda Eleitoral do dia 21/10/2014, às 20h30min, começou com uma canção claramente composta com a intenção de ser mais animada, levantar o astral das pessoas. Sendo esta a intenção, provavelmente tenha conseguido, eu não sei, não gosto de Rap, questão de preferência pessoal mesmo. Ao final, uns segundos mostrando os poucos intelectuais venais e ex-artistas idem que continuam orbitando em torno de Lula da Silva e sua trupe por algum motivo.

            “O Brasil saiu do mapa da fome” disse uma Dilma escondendo cautelosamente o PC do B no programa da noite, vestida de azul. Eu não sei o significado disso, tenho de pesquisar. Ouvi durante muito tempo algumas estatísticas, produzidas pelo governo, dando conta de haverem tirado trinta milhões de brasileiros da miséria (o sinônimo ditado pela onda do politicamente correto, “extrema pobreza” é, ele sim, sinônimo, de extrema pobreza, prefiro chamar uma espada de espada.). Mas... Se o governo anunciou através da mídia áulica durante tanto tempo que haviam tirado trinta milhões de pessoas da miséria, o que teria acontecido para que oito milhões a ela regressassem? Dilma falou em vinte e dois milhões de pessoas “que saíram da extrema pobreza”. O que aconteceu com os outros oito milhões? Voltaram para o “Mapa da Fome”? Peço desculpas ao eventual leitor, tenho de pesquisar para saber qual é o significado disso. Depois dou notícia. Seguiu no balanço hipnótico falando de números que eu não compreendo, mas é uma limitação, desta vez, minha, nunca fui muito bom em matemática e jamais tive acesso a “milhões” ou “bilhões” de coisíssima nenhuma, não tenho como mensurar o que isso significa...

            Além de me confundir, Dilma seguiu balançando como um relógio de hipnotizador, para a esquerda e para a direita – esquerda e direita, balançando... Faz pensar talvez em algum outro significado que não o da hipnose... – com um vocabulário mais amplo, acrescentou, com o pronome certo e o predicado alinhado, pelo menos duas proparoxítonas! Com teleprompter é fácil. Sexta-feira no debate da Globo vamos conferir se as proparoxítonas vieram para ficar em seu vocabulário mesmo.

            A seguir chegou a vez do Agrobusiness. Aqueles caras que plantam soja para exportação onde se poderia plantar o trigo que importamos da Argentina. Não gostei.

            Li na insuspetíssima Folha de S. Paulo, outrora “de rabo preso com o leitor”, hoje alinhada editorialmente ao governo, várias vezes, que as obras da Ferrovia Norte-Sul não haviam sido concluídas. Dilma insiste que estão sim. Não tenho, graças mesmo ao arrocho salarial do governo Dilma, condições de viajar daqui a Guaxupé (30 km de distância), que dirá chegar até onde as Obras estão ou não estão. Tenho de confiar em alguém que, presumivelmente, seja isento. Baseio-me na Folha, que disse em 2013 que “Dilma prometeu entregar as obras em maio de 2014”, aqui. Em outro lugar que não encontrei de pronto, mas não quero perder o momentum e publico depois, li que havia uma nova promessa de conclusão para novembro de 2014 ou coisa assim. Vou pesquisar e publico mais tarde neste mesmo espaço. De pronto sinto-me propenso a presumir que as obras não estejam prontas até hoje.

            No finzinho, Dilma apareceu balançando, agora sim, retirando o PC do B do ostracismo e balançando para a esquerda e para a direita em frente a um trem (infelizmente parado) em localidade indefinida.

            Por último, Lula da Silva – “pronto”, pensei eu, “é agora”. Me segurei olhando para ver se minha mãezinha não teria um treco pois eu assisto com ela, que não abre mão de acompanhar a campanha, e só por isso acompanho também. Ela PASSA MAL quando vê o Lula furibundo vomitando ódio. Mas tenho pelo menos uma coisa na vida para agradecer ao Lula. Falou manso, não me abalou, seguiu piscando o olho esquerdo cúmplice para que os financistas compreendam que ele precisa dizer aquelas coisas, mas que o conhecem... Não falou das elites, deles ou dos adversários... Isso não me assusta, nem à minha mãe e eu agradeço ao Lula por, pelo menos na propaganda política desta noite, haver respeitado os idosos!

            Fico com duas dúvidas apenas, para concluir a análise do que rolou na propaganda do PT/PCdoB: trata-se de uma mudança para melhor e a ficar no tom da campanha? Ou é o experimento de um dia? A segunda dúvida: se veio para ficar, será que os brasileiros que estão com o Lula precisamente por causa do Ódio seguirão se sentindo representados?

            Aécio começou agradecendo “ao Partido e à Família de Eduardo Campos”. Eu pensei, “vai mostrar de novo aquela gata que é a esposa dele, e a mãe dele que emociona a mim e à minha mãe”, infelizmente ainda não foi dessa vez...

            Mas fala bem o Aécio, sempre com o coração, a Razão e as palavras alinhadas, sempre ex abundantia cordis e enfatizou os valores morais que se perderam e eu prezo tanto: a honra, a generosidade, o respeito...

            Sim, neste ponto sou conservador. De um conservadorismo atávico mesmo. A Família deve estar sempre em primeiro lugar. A Generosidade, o Amor, o Carinho, a Ética, o Respeito são fundamentais e disso eu jamais abrirei mão. Temos de Subverter o que precisa ser subvertido e conservar o que precisa ser conservado. Na economia eu não concordo uma vírgula com o Lula ou com o Aécio, que representam o mesmo: fazer, como se fossem escolares, o “dever de casa” passado pelo FMI e pelo Banco Mundial neste momento de ideologia mais forte no mundo desde a década de 30 do século passado: até quando escrevo "Mercado" o Word coloca uma maiúscula no “M”! Agooora, no que tange aos valores morais estou 100% alinhado com o que diz o mineiro. E como ele fala “do fundo do coração” – de verdade – eu concordo com o mineiro!

            A seguir mostrou novamente as suas caminhadas e encontros por vários Estados da Federação, sempre com o Hino Nacional ao fundo.

            A seguir uma vinheta bonita pra caramba. “Pega”. E pega bem!

            Promete um governo decente e eficiente. Teremos – ou não – oportunidade de conferir. Se eu estiver com a saúde firme como agora, acompanharei com vivo interesse!

            A seguir aquela gravação, de um tempo em que o governo do Estado de Minas Gerais precisava fazer parcerias com o Governo Federal para viabilizar seus projetos, trazendo elogios de Dilma e o comentarista diz: “Aécio, aprovado até pela Dilma”. Não é bem isso: quando ele foi governador, Dilma não esboçou sequer uma crítica a ele e sempre o elogiava, hoje só tem insultos. Aquela gravação visa apenas evidenciar a inconsistência da candidata.

            A seguir um número ainda maior de Artistas apoiando e cantando a favor do Aécio. De intelectual só vi o candidato mesmo. E olha que o PSDB está cheio de Bons Intelectuais, como o Fernando Henrique Cardoso a cujas palestras na UFF, na UERJ, na PUC e na UFRJ eu raramente perdia! FHC e os tucanos são intelectuais e respeitam os intelectuais. Lula nos jogou no ralo ficando só com uma meia dúzia de puxasacos. Há uma Esperança que o tucano possa valorizar o intelectual brasileiro novamente! Isso seduz.

            A Ferrovia Norte-Sul não está pronta, mas já falei sobre isso.

            Lima Duarte novamente... Desculpa, Lima... :(

            Rosamaria Murtinho e meus sonhos de juventude... Desculpa, Rosa... :(

            Dois belos programas, educados e civilizados. Seria tão bom se conseguissem manter esse tom até o final... O coração dos idosos agradecerá tanto...

Lázaro Curvêlo Chaves – 21/10/2014 – 22h30min

Conforme prometi mais cedo, aqui está

O Brasil no Mapa da Fome

            Baixei o “Global Hunger Index” da página do IFPRI – International Food Policy Research Institute – fiquei desconfiado com a onda ufanista que encontrei em praticamente todas as páginas brasileiras e fui até a fonte original.

            O “Índice Global da Fome”, chamado no Brasil de “Mapa da Fome” (por isso me confundi) é produzido pelo Instituto Internacional de Pesquisas de Políticas de combate à Fome (IFPRI), analisa anualmente e em termos comparativos, a posição de cada país num ranking que vai de 0 a 100, sendo que nota zero significa que o país vive uma situação “extremamente alarmante” até os países centrais do capitalismo onde se considera que não há fome. Sei. Bem como o número alarmantemente elevado de excluídos nos EUA não é contabilizado, considera-se que lá, como no Canadá, na Europa e na Austrália “não há fome”. Sei.

Rússia, Ucrânia, Arábia Saudita, África do Sul, Brasil, Argentina, Uruguai, Venezuela e México no Mapa da Fome: bons resultados com valores abaixo de 5 numa escala que vai de 0 a 100

            O Brasil, a Argentina, o México, a Rússia, a África do Sul entre outros estão, no Índice Global da Fome (Mapa da Fome) com um índice abaixo de 5 na escala que vai de 0 a 100 e é o melhor de toda a nossa história. Digno de aplauso, sim, também não precisa confundir todo o mundo fazendo pensar que “não há mais fome no Brasil” ou que o nosso país foi suprimido de um mapa qualquer.

            Todos os países do mundo estão no “Índice Global da Fome” ou “Mapa da Fome”. Não é possível “tirar um país do mapa da fome”, por mais que repitam isso ad nauseam, hipnoticamente. O que aconteceu no Brasil foi uma política de Assistência Social aos miseráveis através do programa Bolsa Família que é sim, meritoso. Mas a Propaganda que se faz em torno disso é muito maior que as ações levadas a cabo. Com o agravante que perpetua a dependência criando uma cultura que gira em torno de favores Governamentais. Não deveriam ser Governamentais nem mesmo Estatais. Idealmente o programa que inspirou a idéia de associar todas as diferentes bolsas que existiam como Políticas de Estado até 2002 num único cadastro era o da Renda Mínima de Cidadania. Funciona assim: todos os cidadãos do país, desde o mais miserável até os biliardários que aparecem nas capas do Porno Magazine Forbes receberiam um “Cartão Cidadania” que daria direito uma “Renda Mínima de Cidadania” capaz de permitir a seu recebedor se alimentar, morar, vestir-se, etc. A Sétima Maior Economia do Mundo está em tal patamar que isto é perfeitamente factível, estou convencido. Que a disputa entre os seres humanos, se tem de acontecer, se dê em outro patamar que não o do nível mínimo de sobrevivência.

            Acompanhando pelos jornais, li que a idéia foi levada a Lula que a perverteu transformando-a no que ele chama de “Bôça Familha”, o Bolsa Família: um programa assistencialista elaborado no intuito de ser um Programa de Governo atrelando o recebedor do favor Governamental a seu benfeitor e, num país com Voto Compulsório, ficaria facílimo controlar os “beneficiados” com aquelas migalhas, como se viu em todas as campanhas eleitorais de 2004 para cá. Se, ao contrário, todos os cidadãos brasileiros recebessem um “Cartão Cidadania” como uma Política de Estado, garantida a casa, a comida, as roupas, o mínimo para sobreviver a todos os Brasileiros enfim, todos se sentiriam estimulados a buscar mais e ninguém ficaria evitando buscar um emprego (que aliás não se acha) a fim de não perder o “benefício”. Ou, nas palavras do saudoso Luiz Gonzaga em “Vozes da Seca”: “Dar esmola a um homem são, ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão...”.

          Deveríamos disputar entre nós "quem faz mais e faz melhor", não ficar brigando (por vezes com violência) por comida ou moradia.

            Aécio promete transformar o Bolsa Família em Política de Estado. Acredito firmemente que ele cumprirá esta promessa. Não é ainda o ideal, o seria a Renda Mínima de Cidadania, mas é bem melhor que ser a política ou vitrine de um Governo.

            Há ainda outro problema com a história do “Mapa da Fome”, o IFPRI compila dados que são fornecidos por todos os governos de todos os países do mundo. No Brasil, será que esses dados são confiáveis, pergunto ingenuamente já passando a palavra para a Presidente do FMI, Christine Lagarde, preocupada com a falta de transparência nas contas fiscais dos governos:

“Existem muitos outros países onde nós pensamos, de verdade, que o dado não é exatamente como deveria ser. Ele é selecionado de forma aleatória, ou não tão aleatória, com vistas a produzir resultados esperados”, disse ela. ao Contas Abertas. Não posso avaliar se ela é confusa ou se o tradutor que o é. Copiei a frase extamente como está no Contas Abertas.

Lázaro Curvêlo Chaves - 22/10/2014 - 4h

            Falando em mapas, Lula parece ter um discurso para os Nordestinos, outro para os Financistas... "Ensina" a cada platéia o que quer que eles saibam, como sempre ensinou. Neste caso, demonstra cabalmente o que escrevi sobre o Bolsa Família aí em cima. Veja publica o seguinte: Em discurso raivoso, no Nordeste Lula agora compara tucanos a nazistas: "parece que estão agredindo a gente como os nazistas agrediam no tempo da 2ª Guerra Mundial" e Comparou ainda adversários a Herodes, rei que mandou matar Jesus Cristo quando este ainda era um bebê: "...são mais intolerantes que Herodes que mandou matar Jesus Cristo quando ele nasceu com medo de ele virar o homem que virou. E vocês querem acabar com o PT, com a nossa presidente, querem achincalhar ela, chamar ela de leviana. Só pode ser feito por um filhinho de papai." Puxa, Lula, parecia tanto que o seu ódio estava suspenso... Faça isso não, estás dividindo o Brasil e será difícil até para a eventualidade de Dilma continuar, consertar isso depois...

Lázaro Curvêlo Chaves - 22/10/2014 - 5h15min

 

            Assisti ao programa eleitoral da tarde e fui dormir, pois estava muito cansado. Agora estou pleno novamente!

            No início houve uma apresentação usando de muita desonestidade intelectual, montou-se uma declaração de Armínio Fraga, ex e provavelmente futuro (ele não é candidato a nada, quem é candidato é o Aécio, aliás...) Ministro da Fazenda declarando que “[sob a gestão petista se aparelhou, quase privatizando e destruindo tanto os bancos estatais] que eu não sei onde isso vai acabar”. Na montagem, ficou parecendo que o Armínio Fraga estaria declarando que ele é quem quer destruir os bancos estatais. Pode ser até que queira, mas definitivamente não é isso que ele está falando naquele trecho que repetiram. Ele deu a resposta a Dilma pouco depois através do Mercado de Capitais, o que pouca gente compreende direito. Vamos ver se fica mais claro no decorrer do processo.

            Volta a Dilma Rousseff, talvez para homenagear seu aliado PC do B, os comunistas que se envergonham de ser comunistas que governam para bancos, vestida de vermelho. Balançando menos. Alguém deve ter-lhe dado um toque. Mas fala de umas “elites” que governam para estas mesmas “elites”. Gente como Antônio Palocci, que teve sua fortuna multiplicada por vinte em quatro meses, por exemplo? Pessoalmente, como disse em outra parte, penso que esquerda que governa para bancos, não é esquerda, é gambá! Está tudo errado...

            Mas ouvindo a Dilma, me lembrei de um tempo que ela deve ter vivido também, falemos francamente, como se fôssemos duas pessoas educadas conversando. Eu vivi num tempo em que as crianças podiam brincar livremente na calçada em Brás de Pina. Eu soltava pipa e jogava bola de gude com meus amigos em Brás de Pina. E hoje? Não vou a Brás de Pina há pelo menos 40 anos e a Band News TV, ao falar sobre o lugar onde passei minha infância, soltou uma manchete que precisa entrar para a história: “Aumenta a Violência nas Áreas Pacificadas do Rio de Janeiro”... Como é isso mesmo?

            Aí veio o Lula de novo. Não está de vermelho e fala mansamente. Toda hora pisca com o olho esquerdo. O que seria esse tique? Tenho dificuldade em analisar o Lula objetivamente. Eu o conheci num tempo em que ele parecia falar a verdade mas, a partir de 2003, quando o primeiro homem de primeiro escalão que ele nomeou foi o presidente do Banco Central do Brasil, ninguém menos que Henrique Meirelles, o deputado federal mais votado pelos votos que comprou no Estado de Goiás em 2002... Pelo PSDB! Não o conhecia até ali, pesquisei e vi quem é o cara. Pesquise também, financista do Banco de Boston, sequer morava no Brasil no ano anterior à Eleição ou, se morava, sonegou Imposto de Renda; por causa disso, Lula o “blindou” fazendo do Presidente do Banco Central um Ministro de Estado e assim protegendo-o: qualquer acusação contra ele teria de ser julgada pelo STF, bem mais dócil. Me lembrei disso e entendi o cacoete melhor. Está piscando para os banqueiros, como se os convidasse a uma cumplicidade: “vocês sabem que eu preciso dizer essas coisas, mas já conhecem meu estilo de governo...”

            O programa do Aécio começou com o Lima Duarte, 85 anos, me convidando a ir votar no domingo que vem. Confesso que me balançou, mas, se você ler isso, meu amigo, sabe que respeito sua posição há muitos anos, mas estou à esquerda (lembra-se daquela esquerda que caminhou pelas ruas do Rio pedindo Diretas-Já? Que Campanha bonita aquela, meu, tão diferente dessa de hoje...) Desculpa aí, Lima, não vou votar não, estou sem alternativa.

            A seguir apareceu o Aécio Neves, olhar franco, em “close-up”, falando, como sempre ex abundantia cordis (do fundo do coração) com os sentimentos os pensamentos e seu discurso tão 100% alinhados que não precisará consultar absolutamente nada se questionado acerca de suas convicções pessoais. É liberal e eu sou comunista, mas ele é um adversário de valor e tem o meu grande respeito. Diferente de Lula da Silva, que tinha o meu respeito e o perdeu em 2002 quando traiu sua própria biografia.

            Aécio Neves – não prestei muita atenção a seu discurso; não apenas o conheço bem como sei ser irrelevante em campanha eleitoral a forma é mais importante que o conteúdo do discurso – franco, unívoco como sempre, falando de peito aberto sem medo e trazendo esperança. Uma inversão do sentimento que tínhamos no embate de 2002, quando se dizia que “a Esperança venceu o Medo”. Hoje Aécio é claramente o porta-voz da Esperança e Lula da Silva o porta-voz do Ódio. Quem vence? O povo brasileiro está convidado a refletir sobre isso, não a decidir que com urnas eletrônicas, voto obrigatório e juiz eleitoral petista é muito difícil confiar na lisura do pleito. Enquanto Aécio fala toca ao fundo o Hino Nacional Brasileiro que prossegue mostrando novamente a caminhada em Copacabana (saudades da minha terra...) com a mão no peito, bandeiras se agitando e a recordação de artistas e intelectuais em torno de Lula da Silva em 1989, hoje praticamente todos, até a Fafá de Belém, em torno do Aécio, invertendo todas as equações e mexendo profundamente com nossos sentimentos.

            Temo pela propaganda partidária da noite de hoje: Lula vomitando ódio para os desesperados que ele desespera ainda mais, como Datena, Marcelo Rezende e César Filho. O povo gosta. Eu não. Precisarei tomar dois comprimidos de Aradois-H. Precisarei disso para suportar a tensão da noite com saúde. Lula não tem pena dos velhos do Brasil que devem MORRER ao assistir aquilo...

            Ao finzinho do programa aumenta a sensação clara de que “Mudança é Aécio”. Mesmo. E Rosamaria Murtinho (ai meu Deus, diz o ateu mais sem-vergonha da Galáxia) confirma: “vem com a gente, mudança pra valer é Aécio”.

Lázaro Curvêlo Chaves – 21/10/2014 – 16h45min

 

           A Propaganda Eleitoral da noite de ontem 20/10/2014, às 20h30min apresenta uma vinheta contagiante que nos fica martelando a memória principalmente quando estamos distraídos, daí a importância de se prestar atenção ainda aos efeitos subliminares da Propaganda, como o fato de a Propaganda da Carne Friboi ter sido feita no mesmo estilo, com a mesma velocidade e sequencia na troca de imagens e até vinheta da campanha eleitoral da Dilma. Evidentemente as duas Propagandas, da carne Friboi e da Dilma Rousseff foram montadas pela mesma cabeça. A de Aécio então, nem se fala, música mais contagiante ainda, com gente feliz, sorrindo, abrindo portas e “tendo esperança de novo”.

            A primeira parte mostrou Aécio novamente andando sem dificuldade e sempre feliz e sorridente caminhando pelas ruas e só tomando a seriedade para rezar numa igreja católica em Minas. Repete trechos de sua participação em debates em campanhas de que já falamos, com as mesmas características.

            Antes de iniciar a análise do programa do PT/PCdoB – o PC do B sempre me espantou por serem os “comunistas” que parece terem vergonha de ser “comunistas” que governam para os bancos e desaparecem do picadeiro sempre que a campanha da coligação começa – me recordei que vivemos num país em que se assiste ao Datena, ao Marcelo Rezende, em que as lutas de MMA, gladiadores do século XXI atraem a atenção de bastante gente e até nas emissoras que se recusavam a noticiar baixarias esta se tornou obrigatória para não perderem audiência e penso se o marqueteiro do PT/PCdoB estaria certo em sua aposta que o povo brasileiro prefere o baixo nível. Dizer que não está gostando da baixaria enquanto assiste e se anima vivamente com a baixaria, quero dizer, santa hipocrisia. Se ele estiver certo, Aécio é que está perdido.

            O programa da Dilma foi bem mais interessante – não foi “melhor” coisa nenhuma, foi mais interessante... – por trazer para o picadeiro o Armínio Fraga, ocultando Mister Alexander Tombini, como o atual presidente do BACEN prefere ser chamado E, o que é preocupante em grau superlativo, um Lula roufenho regurgitando o seu ódio que parece não ter fim nem limites repetindo as mesmas sandices que deram certo, parecem funcionar com os pobres principalmente de espírito, pois que mais empobrecidos ainda hoje do que estavam há doze anos, “os tucanos e o Armínio Fraga governam para os bancos nós temos o partido dos pobres” ou “eles odeiam os pobres e governam para os ricos, nós governamos para os pobres”. Sim, para empobrecê-los e assim manter ainda mais dependente e vinculados ao governo, mas esta estratégia FUNCIONA no Brasil para o eterno espanto dos tucanos e da classe média. Aquela que tem casa e viaja de avião para o exterior de verdade há mais tempo, não a “nova classe média” na qual, para se ingressar basta ter televisão, geladeira e fazer três refeições por dia e que curte muito os programas do César Filho nas manhãs do SBT, sempre muito alegre e feliz, “Alô você, uma criança foi barbaramente torturada pelo padastro, isso não se faz... Uma mãe fritou o filho bebê no mesmo óleo fervente que jogou na cabeça do marido, que barbaridade... Alô você!" Receio ter me equivocado, vivendo em reclusão há quase quinze anos pouco contato venho travando com as pessoas normais que normalmente gostam de MMA, de programas de desgraças, violências, angústias e tragédias humanas e não, não se cansa de tanto ódio, pelo contrário! É a aposta de Lula da Silva que, agora, convida Armínio Fraga para a dança. O mais interessante é que Armínio Fraga, para acusar o golpe e “responder à altura”, usou sua verdadeira e enorme influência nos mercados de capital para, mais uma vez, “diminuir a estimativa de crescimento do Brasil”. Pouca gente entendeu isso. Mas todo o mundo entendeu o que o Lula falou com tanto candor...

            Um bocado triste que tenhamos sido reduzidos a uma tão baixa ausência de alternativas. E os cariocas com um agravante: os dois candidatos a governador estão alinhados ao projeto de Poder do PT/PCdoB. Os tucanos não compreendem que esta não é uma disputa por uma cadeira na Câmara dos Lordes Britânica, mas à Presidência do Brasil, com Telecatch, provocações e ataques abaixo da linha da cintura, seguirão apanhando e se queixando.

            E nós tendo de escolher entre Armínio Fraga e o Lula da Silva mais vinte anos no Poder. Nem vou sair de casa domingo!

Lázaro Curvêlo Chaves - 21/10/2014 - 10h

            Armínio Fraga Responde aos ataques da Dilma: Mercado anuncia aumento na inflação este mês, passando de 0,39% para 0,48% fazendo com que o acumulado em um ano ultrapasse o teto da meta, que é de 6,5%. Quem determinou esta meta para o Brasil? O FMI - Efe Eme I. Armínio Fraga FORÇA Dilma a declarar que fará tudo o que estiver em seu poder para... Obedecer a ordem do FMI de manter a inflação no Brasil em patamares menores do que 6,5%.

            Só que essa não é uma língua que o povo brasileiro compreenda adequadamente, os tucanos não vão ganhar uma cadeira na Câmara dos Lordes fazendo esse tipo de coisa. Já esbravejar com o rosto contorcionado pelo ódio contra “eles que nos odeiam”, num Brasil imbecilizado e com ódio de intelectuais por causa da ditadura dos deseducados, funciona!

Lázaro Curvêlo Chaves – 21/10/2014 – 12h15min

 

             Assisti à Propaganda Eleitoral dita Gratuita às 13h deste 20 de outubro ao lado de minha mãezinha, com a saúde debilitada e precisando de monitoração constante. Fiz questão de analisar exclusivamente, pela primeira vez na minha vida de maneira isenta, a atitude e postura dos seres humanos Dilma e Aécio no confronto.

            Os primeiros minutos foram da propaganda do PSDB/Solidariedade mostrando um um Aécio dinâmico, pujante, pulsante, cheio de energia e cercado de gente cantando o Hino Nacional em vários pontos do país. A seguir um recorte com “os melhores momentos” do Aécio nos três debates, da Band, do SBT e da Record. Domina um extenso e amplo vocabulário e improvisa o tempo inteiro. Fala ex abundantia cordis, com o coração, o cérebro e o discurso plenamente alinhados. No minuto final as mesmas considerações acerca do que vem dando errado na opinião de seu marqueteiro e a pergunta final: “você quer mais quatro anos disso?”

            A propaganda do PT/PCdoB teve a maior parte do tempo a Dilma falando – o conteúdo das falas, sempre dispensáveis, pouco importa – e balançando para a esquerda e para a direita como se fosse um hipnotizador com um relógio de bolso diante de uma pessoa a ser hipnotizada. A fala da Dilma no compasso do balanço e, no recorte feito, aparentou estar coerente e com os pensamentos melhor alinhados do que parece nos debates. Fiquei cogitando o que seria o significado daquele balanço... A seguir um recorte com ela falando no debate de ontem na Record. Balançando para a esquerda e para a direita, usando um vocabulário acanhado e no ritmo do balanço. Sigo cogitando: a quem querem hipnotizar mesmo?

Lázaro Curvêlo Chaves – 20/10/2014 - 14h

 

Dois dias após o debate, no Horário Eleitoral dito Gratuito, a Dilma optou por seguir atacando brutalmente não mais o ser humano Aécio, mas propondo uma comparação entre suas “realizações" e as "dos tucanos", num tom cheio de ódio e ataques aí sim, a programas. Minha opinião é que a maioria está exaurida deste modelo e destes discursos cheios de ódio. Quem faz a campanha do Aécio, talvez o próprio (candidato virou uma palavra que quando escrevo escuto a voz da Dilma no tom da Dilma: “c-c-c-a---n—d—i—d—a—a---a---t—o”), optou por mostrar a Família dele. A esposa belíssima falando como Aécio a “encanta”, sua MÃE e sua irmã calmíssimas falando bem dele, tudo calmo e tranquilo apontando principalmente o que ele se propõe a fazer. Somente no último minuto apareceram "os motivos para não darmos mais quatro anos disso que aí está". Penso que conquistará o coração das pessoas.

            O debate da Record foi um tanto menos emocionante. Uma suspeita nova – aliás, notícias de novas suspeitas e denúncias de irregularidades no governo do PT/PCdoB já são uma constante de que estamos cansadíssimos! – acerca da participação do Tesoureiro do PT, denunciado no Escândalo do Petrolão, como funcionário nomeado para algum cargo na ITAIPU Binacional. A imprensa cumprirá o seu papel e verificará isso de perto ao longo desta última semana da campanha eleitoral. Afora esta absoluta novidade, a impressão, voltando aos seres humanos em confronto direto, percebe-se uma diferença enorme na capacidade de armazenagem de dados e velocidade do processador de ambos. Dilma funciona como um HD de 100 MB e um processador de 500 MB. Aécio transmitia a impressão de um processador Core 7 com vários HD's de 2 TB.

Nota em 29/10/2014 - Até hoje a Imprensa não foi verificar a situação em Itaupu e donadilma, após eleita, parece isolada (ao seu redor perfila-se somente a imprensa áulica) e funcionando como um XT-386 com um HD de 10 MB...

Agora... Se Dilma parecer enfermiça e fragilizada demais fica na pior. Ou não. No Brasil, tudo é possível. No cotidiano, cenas dos próximos capítulos e um capítulo final na Globo que promete ser um Evento comparável àquele do Collor versus Lula em 1989. E na Globo de novo. Que apóia a Dilma.

Pessoalmente, sigo implicante: com urnas eletrônicas, voto obrigatório e juiz eleitoral petista, não vou nem sair de casa domingo.

Lázaro Curvêlo Chaves – 20/10/2014 - 3h

Como entrei num processo que me levou a ficar interessado na política nacional novamente

Sem entrar propriamente no mérito da disputa eleitoral que está transcorrendo, até porque já fiz isso alhures, aponto para um fato que atentei a pouco revendo trechos do debate no SBT que foi num horário mais civilizado.

Dilma Rousseff aparenta lutar com problemas de saúde física e conflitos internos de foro íntimo que não nos cabe julgar em absoluto, mas cujos sintomas ficam cada vez mais claros. Há uma falta de sincronia e univocidade entre o que ela sente, o que ela pensa e o que ela diz. Como se o coração desejasse uma coisa, o cérebro impusesse uma outra e as condições da campanha uma terceira coisa. Talvez por isso ela não consiga concatenar compreensivelmente o pronome, o sujeito e o predicado numa frase. Sua fragilidade física e intelectual, portanto, está patenteada. Contudo, precisa a todo o custo apresentar-se forte e resoluta, pois sabe (ou intui ou alguém explica a ela) que não é legal e ninguém quer ter uma Chefe de Governo fisicamente debilitada ou intelectualmente limitada.

Aécio Neves, por outro lado, independente de concordarmos ou não com o que sai de seus lábios, dada a sua longa trajetória político-eleitoral, está bastante acostumado com os trejeitos do que se exige num debate direto e se apresenta como se seus sentimentos, seus pensamentos e suas palavras estivessem perfeitamente alinhados. Há univocidade em seu discurso e não há notícias de que haja passado por qualquer problema de saúde física ou mental em tempos recentes. O uso de álcool numa ou em outra oportunidade, privadamente, como nos demonstrou claramente Lula da Silva, não desqualifica um cidadão para o exercício de um cargo público.

Qualquer dos dois que seja ungido(a) presidente levará a cabo precisamente o que a Ata da Reunião Conjunta do FMI com o Banco Mundial (versão em espanhol, disponível aqui) determina, campanha eleitoral bem à parte, como o filósofo e dublê de ex-presidente Lula da Silva ensina em suas andanças, "na campanha você tem que falar o que as pessoas querem ouvir, governar é outra coisa, você governa como você pode...”.

 Com maior ou menor eficiência, mais ou menos corrupção, neste instante examino o aspecto exclusivamente humano da questão. O ser humano Aécio Neves e o ser humano Dilma Rousseff. Há uma aparente superioridade no fato de se conseguir apresentar-se sempre unívoco, com os sentimentos, a Razão e as palavras perfeitamente alinhadas.

Lázaro Curvêlo Chaves - 20/10/2014