Cultura Brasileira: no ar desde 1998

 

Filigranas ou A Esperança Contra o Medo com sinais trocados

 

Propaganda Eleitoral de 22/10/2014, 20h30min

        Peço perdão pela demora. Sempre digo que não tenho nada a perder e que não é prudente afrontar quem já perdeu tudo na vida. Mas ainda tenho: minha mãe. E quase a perco mais uma vez por causa da Propaganda Eleitoral Raivosa do PT. Quem acredita que se deve ou mesmo pode proibir ou afastar uma pessoa idosa que tem uma ascendência moral atávica sobre nós de fazer algo de que gosta, acompanhar a vida política de seu país, nada entende de cuidados com o idoso, menos ainda de democracia: não se deveria, numa campanha, jogar com as vidas das pessoas desta maneira. Não consegui assistir a propaganda até o final; olhei para a minha mãe e reconheci aqueles lábios roxos e o olhar perdido sem compreender o que acontece. Corri a pegar um Isordil para botar debaixo de sua língua e forçar a pressão arterial a voltar ao normal. Um Capotem para afinar o sangue e facilitar o trabalho do coração e um Cardizem para reforçar o músculo da pequenina bomba, conforme amplamente instruído pelo seu médico. Guardei a minha indignação no fundo do meu coração e apresentei toda a amabilidade e docilidade que ela merece, acalentando-a com palavras doces e suaves e até cantando os corinhos cristãos que ela tanto aprecia. Levou quase duas horas para chegar ao equilíbrio, dei-lhe mais um comprimido de Lexotan e ela agora dorme mansamente deixando-me livre para trazer à tona a minha indignação e me expressar sobre o que vi, vivi e senti na noite de hoje.

        A Propaganda Política começou com o mesmo Aécio, sempre unívoco, amplamente calmo e lúcido, esclarecendo o que vem sofrendo em termos de ataques pessoais em múltiplos planos. Sempre declarando corajosa e generosamente ser este um preço pequeno para resgatar a dignidade, a honra e trazer de volta a Esperança aos brasileiros, libertando-nos de tanto tempo de ódio e péssima gestão pública.

        Disse-nos que, segundo seus assessores, das 22 peças que foram ao ar desde o início do embate político no segundo turno das eleições, 19 continham ataques pessoais a ele e 3 traziam propostas. Eu acredito nele, ele não mente, é unívoco e fala – mesmo – com o coração. Encontra em suas andanças gente assustada, aterrorizada. Pessoas que se beneficiam do programa “Minha Casa Minha Vida” recebem telefonemas em casa aterrorizando-as contra o Aécio; beneficiários do Bolsa Família apavorados com a possibilidade de perder a ajuda governamental, que se tornou crucial para sua existência. Tudo mentira da campanha sórdida do PT. Conclui com as palavras: “Por que tanto ódio? Por que tanto desrespeito? Nós não merecemos isso.”

        A seguir a Propaganda de Aécio, sempre se defendendo, apresentou dois jovens lado a lado; a moça à esquerda dizia: “Para o PT, o inimigo é o Aécio” o rapaz à sua direita dizia: “Para o Aécio, o inimigo é a Inflação”. A moça à esquerda repetiu: “Para o PT o inimigo é o Aécio”, o rapaz à sua direita disse: “Para o Aécio, o inimigo é o desemprego”. A moça à esquerda repetiu: “Para o PT, o inimigo é o Aécio”, o rapaz à sua direita disse: “Para o Aécio, o inimigo é a paralisação da economia”, ou algo assim. Bela peça defensiva. Genial.

        Marina Silva fala em Esperança, em “acender uma luz nessa escuridão”.

        Renata Campos, esposa de Eduardo Campos pergunta: “continuar como estamos ou trilhar um caminho de mudanças?”

        Rosamaria Murtinho, você está quase me convencendo...

        A vinheta da nova esperança, com vários artistas, um número maior que aqueles no programa do PT.

        Recorte da Record mostra Dilma falando que “as Obras de transposição do Rio São Francisco estão a pleno vapor” e o programa de Aécio demonstra o que já sabemos através da imprensa livre: as obras estão paradas em vários pontos, muitas partes se deterioraram e precisariam ser refeitas e o povo da Região se conforma que a Obra, já prometida por D. Pedro II, não ocorrerá jamais. Pessoalmente estou com os professores da UNEB – Universidade Estadual da Bahia – e penso que furar poços artesianos seria uma solução mais inteligente, eficiente, barata e rápida do que transpor as águas de um rio que parece estar morrendo segundo Dom Luís Flávio Cappio, Bispo da Diocese de Barra. Será verdade o que disse o Globo Rural, que “a nascente do Rio São Francisco secou”? Se for verdade, a transposição de um rio moribundo é um crime ecológico!

        Começa a Propaganda do PT com a Dilma falando que recebe críticas de Aécio, o que aliás é perfeitamente normal num embate deste porte e ele só tangenciou o nível pessoal quando ela o desafiou acerca de uma palavra recentemente incorporada a seu pequeno vocabulário, “nepotismo”. Ela percebeu a estratégia defensiva de Aécio e não usou mais uma palavra que parece não conhecer bem, chegou mesmo a dizer que “o nepotismo é uma lei”. Não é. Deriva do latim nepote, sobrinho. É que o sobrinho do Papa, na Idade Média, recebia imerecidas prebendas e isso fez com que se popularizasse, em português, o vernáculo “nepotismo” que não é uma lei; é um vocábulo e refere-se ao emprego de familiares por parte de um funcionário público.

        Como não consigo ler-lhe as microexpressões, o rosto dela parece não se mover, somente os lábios dos quais, quando se abrem e fecham encaminhando sons, emitem somente mentiras que preferi não prestar atenção. Coisas como pronafepronatequi e por aí ia, mas não falou mais no tal “mapa da fome” que realmente não cabe.

        Aquele Rap de novo. Deve estar agradando a alguém. Eu não tenho como mensurar. Não gosto de Rap. Prefiro MPB, Samba-Canção, Bossa-Nova...

        Não estranho mais a presença do Chico Buarque de Hollanda que, de Paris, manda seu apoio a Dilma. Tampouco a novidade de aparecer o Emir Sader e o Fernando Moraes que há tempos se venderam ao Projeto Criminoso de Poder do PT.

        Penso comigo: seria interessante que os intelectuais ostracizados pelo PT também se posicionassem, penso em gente como César Benjamin e Lúcia Hippolito.

        Lula incita subliminarmente os jovens ao ódio, concita-os a perpetrar agressões... Minha mãe passa mal ao ver aquilo. CORRO com remédios para ela e perco o restinho do programa que, em diagonal enquanto o Isordil se dissolvia na boca de minha mãe, vejo que foi cortado pelo TSE por alguma irregularidade cometida.

        Para além de ideologias e mesmo da minha absoluta discordância no que diz respeito a um provável encaminhamento liberal (com ou sem o desnecessário prefixo "neo") para a economia, estou 100% alinhado aos valores morais de que tanto Aécio fala e não consigo conter uma prece laica: “Aécio, liberte-nos de tanto ódio”.

Lázaro Curvêlo Chaves – 23/10/2014 – 1h

Nota em 29/10/2014, 1h

        Editado, com pequeninas correções ortográficas e estilísticas, quem teve oportunidade de ler quando eu ia publicando verá que está tudo ali em cima. Falta apenas a primeira parte que ainda estou revisando (só o estilo e a ortografia) e devo mandar ao ar amanhã.

        "Filigranas" é bobagem, besteirinha. É como eu via as diferenças entre os candidatos até me encontrar frente à Superioridade Moral de Aécio Neves que não tem nada de filigrana! Preservo o título para ser fiel à memória.

        Estou "estarrecido" com a incapacidade demonstrada pelo PT em perceber a elevação de valores morais como a Honra, o Respeito, o Cavalheirismo, a Decência... Mesmo! Se não baixarem um decreto determinando que todo petista seja considerado portador daqueles valores eles vão seguir sem entender, acabarão perdendo trem da história e passarão uma tremenda vergonha aos olhos de todo mundo. Pensa bem aí, turma... A classe tem de avançar...

Lázaro Curvêlo Chaves