SEM REAJUSTES SALARIAIS À VISTA. O MOMENTO É DE ARROCHO, SACRIFÍCIO. DESDE 1998…

Segundo Reportagem de Adriana Fernandes e Tânia Monteiro publicada a 28 de fevereiro de 2019 no Estadão, “Reajuste de salários trava envio de projeto de aposentadoria de militares

Quantas e quantas vezes recebi mensagens solicitando apoio à Proposta de Emenda Constitucional nº 245 de 2008, de Autoria do então Deputado Federal Marcelo Itagiba, sempre tão exaltada pelo também então deputado Jair Bolsonaro que chegamos a pensar ser de sua Autoria. Reestruturando o soldo dos Militares… Aquela PEC visaria corrigir distorções e injustiças de mais de duas décadas, “Fixando a remuneração de Almirante de Esquadra, General de Exército e Tenente-Brigadeiro em valor correspondente ao subsídio pago a Ministro do Superior Tribunal Militar – STM; os demais militares terão a remuneração fixada por lei federal e escalonada conforme os postos e graduações.”

Confira:

https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=391023

De todas as vezes, HÁ ANOS, acolho, apodo meu apoio e recomendo à minha Família fazer o mesmo.

Agora aquela PEC poderia, dado o apoio que o Presidente Bolsonaro recebeu da Família Militar, após simples negociação com o Congresso, se transformar em mero Ato do Executivo e ser concretizada; contudo, assim como vem acontecendo desde 1998, repete-se a cantilena: “Aumento de salário só quando houver crescimento econômico” – palavras dos mesmos agentes econômicos dedicados a EVITAR o crescimento, pois que são seguidores parareligiosos da seita conhecida como  “Ortodoxia Econômica”. Na prática, o Presidente é DESAUTORIZADO pelo seu Ministro da Economia, representante “dos Mercados” na Cúpula do Governo.

Ao contrário do que se tornou lugar comum dizer, é necessário promover Obras Públicas rigorosamente auditadas desde o seu início, reajustar salários defasados de diversas categorias e outras medidas similares para revitalizar a Economia, para a Retomada Responsável do Crescimento Econômico. Retomando-se o crescimento, o Capital de Investimento inexoravelmente virá do Exterior ao Brasil, criando mais empregos e ampliando salários num círculo virtuoso que nos libertaria dos últimos vinte anos de “Fazermos Sacrifícios para conquistarmos o direito a Fazer Ainda Mais Sacrifícios”.

A chamada Ortodoxia Econômica – Paulo Guedes é o sumo-sacerdote desta seita atualmente – segue pregando: “primeiro vamos reduzir o CUSTO BRASIL, os salários e benefícios dos que produzem”, só assim se atrairá o Capital Financeiro (especulação pura e simples) do Exterior que, como vem ocorrendo há décadas, seguirá concentrando ainda mais a renda, ampliando o desemprego e mantendo os salários aviltados… Naturalmente com a Propaganda a pregar hipnoticamente o oposto…

Desprezam-se medidas que efetivamente reconduziriam o Brasil ao Crescimento Econômico em prol de medidas voltadas a atender aos Interesses de poucos operadores do Capital Financeiro (Especulação pura e simples). Como sair deste círculo VICIOSO?

Confira a Reportagem: não adianta aos militares (ou a qualquer categoria profissional) clamar por justos Reajustes; “a hora é de REDUÇÃO, de ARROCHO, não de AUMENTOS”… E isso dura quase três  mais décadas, pelo visto, sem esperança no Horizonte…

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,reajuste-de-salarios-trava-envio-de-projeto-de-aposentadoria-de-militares,70002738639

É um tema cruel, profundo e atual. O Presidente Jair Bolsonaro – para nosso espanto – não se cansa de bradar aos quatro ventos que NADA ENTENDE DE ECONOMIA, quem trata desse tema em seu governo é o Banqueiro e Megaespeculador Paulo Guedes (e o faz da mesma maneira que Armínio Fraga o fazia no Governo FHC, Henrique Meirelles nos desgovernos petistas e tudo continua na mesma direção, sem esperanças no horizonte) não imagino que sequer os netos de meus sobrinhos vivam para ver a reversão deste quadro: os Meios de Comunicação para a Massa, as Universidades pagas por Banqueiros e Apostadores da Bolsa, Jornalistas e Comentaristas a soldo farto da Ortodoxia Econômica encantam a todos como o Flautista de Hamelin das Histórias Infantis… Naqueles espaços nobres e majoritários não há um único contraponto… Por que escrevo, então? Aprendi com o Grande Érico Veríssimo ao ler SOLO DE CLARINETA:

“Desde que, adulto, comecei a escrever romances, tem-me animado até hoje a idéia de que o menos que um escritor pode fazer, numa época de atrocidades e injustiças como a nossa, é acender a sua lâmpada, trazer luz sobre a realidade de seu mundo, evitando que sobre ele caia a escuridão, propícia aos ladrões, aos assassinos e aos tiramos. Sim, segurar a lâmpada, a despeito da náusea e do horror. Se não tivermos uma lâmpada elétrica, acendamos nosso toco de vela ou, em último caso, risquemos fósforos repetidamente, como um sinal de que não desertamos nosso posto.”

 

Sem Juízo de valor, Nossa História é cristalina: os momentos mais prósperos de nossa Nação foram aqueles durante os quais tivemos Governo e Estado Forte. Sob Vargas, sob os Generais de 64… O Brasil chegou a crescer até 15% ao ano! Eu vivi isso em 1971 – minha Família estava MUITO BEM até que a Leucemia ceifou lentamente a vida e o patrimônio de meu pai, morto aos 39 anos de idade. Hoje, com Os Mercados no Comando Supremo de todo o Ordenamento Social celebra-se um pífio crescimento de 0,8% que, bem maqueado, chega a 1,1% ao ano…

PRIVATIZAÇÃO??? Desde as Capitanias Hereditárias as Empresas Privadas se demonstram, dado o elevado nível de Rapina e ânsia por lucro rápido e fácil, brutalmente destruidoras dos fundamentos desta (e de muitas outras) Nação. Além das privatizações irresponsáveis de Setores Vitais à Segurança Nacional – por prestarem Serviços Públicos – já levadas a cabo propõe-se hoje, como medida “saneadora” de um problema constatado pela revelação da promiscuidade estatal com empresas privadas simplesmente que deixem de ser Estatais e sejam Privatizadas, “para gerar empregos”. Durante pouco tempo, num primeiro momento, dado o valor imenso das Estatais vendidas, se a roubalheira for contida, isso pode acontecer – no governo FHC chegou a acontecer em certa medida – mas… Depois de se privatizar Empresas Lucrativas e a Renda delas decorrente por uns seis meses, de onde passam a vir recursos aos cofres públicos? De aumentos em impostos e ataques monstruosos aos direitos dos aposentados… Que “solução” brancaleônica! Não sendo “sustentável”, para usar uma palavra na moda, esse modelo entrará em colapso a quem estiver vivo para testemunhar…

MAIS GRAVE: Empresas Estatais precisam responder ao Ministério Público, são CONTROLADAS. Quem controla as Privadas?

 

Insistindo: Consegue o eventual leitor imaginar os Soldados Espartanos de milênios atrás consultarem “Os Mercados” acerca das vantagens e desvantagens de se Defender sua Cidade Estado aos MERCADORES? Imagina o eventual leitor que os Intelectuais Atenienses se subordinassem “Aos Mercados” para receber autorização quanto ao que pensar, o que debater, o que escrever? Ânimo! O Brasil sairá desse pesadelo macabro mesmo que já não estejamos aqui para ver isso acontecer. Os Mercadores estraçalham o Brasíl no cotidiano e poucos o percebem… O Movimento vem sendo gradual e cruel demais, como digo em https://www.culturabrasil.org/podemos-voltar-aos-bons-tempos-quem-sabe-mesmo-a-um-patamar-ainda-mais-elevado/

As “Vozes Censuradas”, ostracizadas das Academias e da Mídia, seguem vivas! Os ciclos humanos são assim… Após o apogeu e florescimento da Cultura Creto-Micênica, durante 400 anos os Arqueólogos nada encontram indicando haver ali Escrita, Vasos, nada… Foram os 400 anos de Trevas: a própria ESCRITA se perdeu! E a Grécia Clássica daquilo se recuperou… O apogeu do cristianismo radical e intolerante na Europa provocou 1.000 anos de trevas para as Ciências. A humanidade, a duríssimas penas, conseguiu superar aquele período. As Trevas produzidas pelos Mercados já duram cerca de 30 anos… Tomara não seja somente o começo de outros 400 ou 1.000 anos de trevas… Com quase total certeza, já não estaremos aqui para ver onde se chegará, mas deixamos registrada a nossa opinião e torcemos para a superação destes males o quanto antes pelo bem das Futuras Gerações!

Lázaro Curvelo Chaves

 

Apêndice 1 – Joseph Stiglitz, Estadunidense, Prêmio Nobel de Economia em 2001 fala sobre a necessidade de se ROMPER IMEDIATAMENTE COM A ORTODOXIA ECONÔMICA, caso se deseje retomar o crescimento (fala principalmente do caso Estadunidense, que o Brasil imita).

Apêndice 2 – O Economista Francês THOMAS PIKETTY, Intelectual de Direita, critica a chamada “Ortodoxia Econômica” que vem destruindo países há quase três décadas. Acompanhe:

 

Apêndice 3 – VOZES CENSURADAS – A Economista HETERODOXA Leda Paulani aponta as falhas brutais no Pensamento Único a favor dos bancos e mercados que nos arremessa na situação monstruosa em que nos encontramos e aponta saídas. Download em PDF aqui: https://culturabrasil.org/docspdf/vozescensuradas.pdf

Compartilhe